"THE MOST BEAUTIFUL MOMENT IN LIFE: THE NOTES" BTS COMEÇA A PREPARAR NOVO COMEBACK




Novamente o BTS começou a divulgar teasers de mais um comeback, e como uma preparação para o "Love Yourself: Answer" uma nova história foi divulgada no diário da saga "The Most Beautiful Moment in Life:The Notes"

A história dessa vez foi divulgada na madrugada do último dia 07.08 (KST) no Twitter oficial do BTS, ela foi escrita pelo personagem do Jin, ele conta o que aconteceu quando o grupo retorna ao lugar onde tudo começou, leia a tradução abaixo:

"Seokjin

3 de agosto ano 22

"Eu abri a porta para a sala de aula de armazenamento e entrei. Na noite de verão o cheiro de mofo se misturava à poeira no ar quente. Flashs de algumas cenas se passaram na minha mente. Os sapatos brilhantes do diretor, a expressão do Namjoon enquanto ele esperava do lado de fora, o último dia em que eu me afastei do Hoseok e voltei por conta própria. De repente, minha cabeça doía e eu senti o calafrio. Eu senti um fluxo de emoções complicadas, sentimentos como dor, que poderia ser chamada de irritação ou medo. Os sinais que senti no meu corpo e no meu coração eram claros. Eu tinha que deixar aquele lugar.

"Taheyung me segurou pelo braço, talvez porque ele percebera a minha expressão. Hyung. Tente um pouco mais. Tente lembrar o que aconteceu aqui. Eu sacudi a mão do Taehyung e me virei. Nós estávamos vagando no calor sufocante já fazia algumas horas. Eu estava completamente exausto. Os outros olharam para mim como se não soubessem o que dizer. Lembranças. As lembranças que Taehyung havia dito eram apenas palavras sem sentido para mim. Dizendo eu fiz aquilo, dizendo que aconteceu comigo, dizendo que nós fizemos juntos. É possível. Parece que pode ser verdade. Mas memória não é sobre entender ou aceitar. Não é sobre uma experiência que você escuta sobre e entende. Tem que estar profundamente enraizado no seu coração, mente e alma. Mas para mim, as únicas lembranças naquele lugar eram de coisas ruins. As coisas que me machucavam e me faziam querer fugir.

"Um desentendimento se irrompeu entre mim e Taehyung, desde que eu disse que iria voltar e Taehyung tentou me parar. Mas nós dois estávamos exaustos. As batidas, as esquivas e as retenções eram lentas e pesadas, como se estivessem ocorrendo em um líquido espesso e quente. Em um breve instante, nossos pés ficaram emaranhados. Eu me perguntei se meu ombro havia colidido com a parede, e no momento seguinte eu perdi o equilíbrio e tropecei.

"No começo, eu não tinha como saber o que havia acontecido. Por causa da poeira espessa, eu não conseguia abrir meus olhos nem respirar. Eu comecei a tossir. Você está bem? Quando alguém falou, percebi que tinha caído no chão. Quando me levantei, percebi que a coisa que eu achava que era uma parede tinha desmoronado. Além da parede havia um espaço muito grande. No começo, ninguém se mexeu. De jeito nenhum. Nós passamos tanto tempo aqui. Alguém disse. Ninguém poderia imaginar que esse espaço estaria além da parede. Mas o que é isso? Quando a poeira baixou, vimos que havia um armário sozinho no espaço vazio.

"Namjoon abriu a porta do armário. Eu dei um passo para frente. Havia um único caderno dentro. Namjoon pegou o caderno e virou a primeira página. Eu parei de respirar por um momento. Na primeira página daquele caderno que parecia ser antigo, havia um nome escrito que eu não esperava. Era o nome do meu pai. Namjoon parecia estar se virando para a próxima página, mas eu a peguei. Namjoon olhou para mim surpresa, mas eu não me importei. Eu folheei as páginas. Entre os meus dedos, o caderno parecia que iria cair aos pedaços.

“O que estava escrito na caligrafia de meu pai no caderno era um diário das coisas que ele fazia com seus amigos nos tempos de colégio. Não foi uma conta do que aconteceu todos os dias. Alguns meses foram pulados, e havia uma página que ficou ilegível por algo que parecia ser manchas de sangue. Mas eu sabia mesmo assim. Que meu pai passou pela mesma coisa que eu. Ele cometeu os mesmos erros que eu e estava correndo e correndo para tentar compensar isso.

“As coisas escritas no caderno de meu pai eram um registro de fracassos. No final, meu pai desistiu e fracassou. Ele esqueceu, dispensou e evitou. Ele deixaria seus amigos para baixo. Na última página com uma data escrita, havia apenas uma mancha de tinta preta que tinha manchado. Passou para a próxima página em branco, a página depois e até a última página. A mancha mostrou o fracasso do meu pai alto e claro.

"Eu não tinha certeza de quanto tempo tinha passado, tudo parecia nublado. Como a brisa que entrava pela janela esfriara, parecia a hora mais escura do dia, a hora certa antes do sol nascer. Namjoon e os outros estavam todos dormindo no chão. Eu olhei para a parede. Eu tinha visto o nome do meu pai na parede em algum lugar. Por baixo havia essa frase. Tudo começou aqui.

“Eu senti algo irradiar do final dos meus dedos quando fui fechar o livro. Havia letras borradas no topo da marca de tinta. Eu senti algo nebuloso do lado de fora da janela. Parecia que o sol estava prestes a subir. Mas a noite ainda não acabou. Não era noite e não era o amanhecer. Na mistura de escuridão e luz difusa, apareceram letras nas entrelinhas da mancha negra.

“O caderno continha memórias que eram mais do que apenas os registros. Acima das cartas, nas margens e espaços em branco, havia coisas que meu pai decidira esquecer, coisas que ele decidira não lembrar. As marcas impressas ainda estavam lá depois que a cor desapareceu. Sob meus dedos, havia um redemoinho do que meu pai sofreu e seus medos, seu desespero aparentemente insuperável e uma fraca esperança. Um mapa da alma distorcida do meu pai permaneceu no caderno.

“Chorei assim que fechei o caderno. Depois de ficar sentado assim por muito tempo, levantei a cabeça e meus amigos ainda estavam dormindo. Eu olhei para cada um deles. Não sei se talvez tenhamos que voltar a este lugar. Para nós, tudo começou aqui. Aprendemos sobre o significado de fazer as coisas juntos e a alegria de rir juntos. Meu primeiro erro que eu nunca fui capaz de reconhecer em voz alta, permaneceu como uma ferida aberta.

"Eu me perguntava se tudo isso não era coincidência. Talvez eu tenha chegado aqui no final. Era a única maneira de eu encontrar significado nos erros que cometi, e a dor e o sofrimento causados ​​por eles, e finalmente poder dar o primeiro passo para encontrar o mapa da minha alma."

Nenhum comentário

Pericles F Pellegrini. Tecnologia do Blogger.